• pt
  • en
Financiado pelo Fundo Português de Carbono
missão

Contribuir com criação de capacidade para a integração da adaptação nas políticas, planos e projetos relevantes para o desenvolvimento.

o projeto
Cronograma
Resultados

O projeto IAC tem como objetivo global contribuir para a redução da vulnerabilidade aos impactes das alterações climáticas em Cabo Verde, Moçambique e São Tomé e Príncipe. Como objetivo específico, o projeto IAC visa criar capacidades para integrar a resposta à vulnerabilidade às alterações climáticas no processo de desenho de políticas e projetos em Cabo Verde, Moçambique e São Tomé e Príncipe.

De um ponto de vista geral, os formandos aprenderão o que são as alterações climáticas e como estão ligadas com o desenvolvimento do país; onde encontrar e como utilizar informação relevante sobre clima; como pensar de acordo com passos sistemáticos com o objetivo de definir medidas concretas de adaptação aos níveis nacional, sectorial, local e de projeto; como definir as capacidades institucionais necessárias para levar a cabo um processo de mudança; como planear e apoiar processos de integração da adaptação às alterações climáticas nas suas instituições e a desenhar propostas de ideias de projetos de adaptação (dois por país) com base nas prioridades identificadas. Assim, após a conclusão do projeto, espera-se que os agentes envolvidos tenham a capacidade de integrar a análise do risco climático nas suas atividades, tal como no desenho de políticas e projetos, de forma a que o desenvolvimento dos seus países tenha um maior grau de resiliência. Espera-se igualmente que estes agentes sejam os catalisadores de tal atitude e filosofia nas entidades que representam.

O projeto teve início em outubro de 2013 e termina em dezembro de 2016. É constituído por quatro atividades.

 

IAC_itens

 

recursos
equipa
Inês Mourão
Coordenação Geral e Assistência Técnica
Gestão dos projetos, coordenação das equipas com assistência técnica transversal a todos os elementos e revisão dos resultados. CAOS
Adérito Santana
Coordenação Nacional de São Tomé e Príncipe
Assiste no planeamento e coordena a equipa nacional e executa as atividades do projeto. Instituto Nacional de Meteorologia (INM)
Carlos Moniz
Coordenadação Nacional de Cabo Verde
Assiste no planeamento e coordena a equipa nacional e executa as atividades do projeto. Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica (INMG)
Eduardo Baixo
Coordenação Nacional de Moçambique
Assiste no planeamento e coordena a equipa nacional e executa as atividades do projeto. Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural (MITADER)
Gonçalo Cavalheiro
Assistência Técnica
Assiste técnica e transversalmente todos os projetos e todos os elementos das equipas nacionais, acompanhando as tarefas e revendo os seus resultados. CAOS
Joana Magalhães
Assistência de Projeto
Assiste no planeamento, funcionamento e monitorização dos projetos. É o elemento de contacto permanente entre a coordenação geral e as equipas nacionais. CAOS
parceiros
financiamento
promotores
executora
O PlanºC surge como uma resposta às duas faces das alterações climáticas: os projetos agem nas suas causas e consequências, tanto através da construção de capacidade para o desenvolvimento de baixo carbono e resiliente como de ações concretas de resposta imediata nas comunidades mais vulneráveis. A CAOS não podia deixar de responder a este desafio, sendo parte da solução. Inês Mourão
apoios
Estes projetos assumem grande relevância num momento em que se negoceia um novo acordo global para as alterações climáticas e onde Portugal, no contexto da União Europeia tem defendido uma participação global.
O Instituto Camões apoia incondicionalmente estes projetos na medida em que, no âmbito da política de cooperação para o desenvolvimento o reforço da resiliência em relação aos impactos ambientais e das alterações climáticas e a sua mitigação são essenciais para o sucesso das políticas das sociedades e do combate à pobreza.
O GIZ associou-se a este projeto, partilhando os seus materiais, por reconhecer que há muito a aprender com os outros países sobre a adaptação às alterações climáticas, na medida em que é um novo campo da gestão e das políticas.
galeria
X
X